Skip to main content
André Romão, 1977-1981
MAAT Central

Intitulada 1977-1981, a exposição de André Romão no espaço Camões Berlim integrava dois vídeos e uma pintura. Esta foi a primeira de uma série de exposições realizadas anualmente neste espaço, com curadoria do MAAT.

André Romão (n. 1984) justapõe neste projeto duas realidades idiossincrásicas mas contemporâneas, o grupo Indiani Metropolitani, a ala mais criativa e libertária do chamado “movimento del Settantasette”, em Itália, e o Memphis, um grupo fundado pelo designer italiano Ettore Sottsass. O artista explora a simultaneidade destas duas dimensões histórico-culturais da Itália pós-modernista, sinalizando aquilo que têm em comum, mas também o que nelas é radical e estruturalmente diferente.

O MAAT e a Embaixada de Portugal em Berlim estabeleceram uma parceria que visa promover a internacionalização da arte contemporânea portuguesa, nomeadamente dos artistas que integram a coleção de arte portuguesa que a Fundação EDP tem vindo a constituir desde 2000.

Em 2007, André Romão recebeu o Prémio Fundação EDP Novos Artistas.

On
No
Curadoria
Inês Grosso
André Romão, 1977-1981
MAAT Central

Intitulada 1977-1981, a exposição de André Romão no espaço Camões Berlim integrava dois vídeos e uma pintura. Esta foi a primeira de uma série de exposições realizadas anualmente neste espaço, com curadoria do MAAT.

André Romão (n. 1984) justapõe neste projeto duas realidades idiossincrásicas mas contemporâneas, o grupo Indiani Metropolitani, a ala mais criativa e libertária do chamado “movimento del Settantasette”, em Itália, e o Memphis, um grupo fundado pelo designer italiano Ettore Sottsass. O artista explora a simultaneidade destas duas dimensões histórico-culturais da Itália pós-modernista, sinalizando aquilo que têm em comum, mas também o que nelas é radical e estruturalmente diferente.

O MAAT e a Embaixada de Portugal em Berlim estabeleceram uma parceria que visa promover a internacionalização da arte contemporânea portuguesa, nomeadamente dos artistas que integram a coleção de arte portuguesa que a Fundação EDP tem vindo a constituir desde 2000.

Em 2007, André Romão recebeu o Prémio Fundação EDP Novos Artistas.

On
No
Curadoria
Inês Grosso
Indicates required field
Escolha o seu idioma
This question is for testing whether or not you are a human visitor and to prevent automated spam submissions.
Declaro que tomei conhecimento da política de privacidade e concordo que os meus dados pessoais sejam recolhidos pela Fundação EDP e tratados para cada uma das finalidades que assinalei.