Eventos especiais

Datas

29 Ago 2019
Horas
22h - 23h30
Lotação
min.10 máx. 150
local
Praça do Carvão
gratuito
Programas / Eventos
FUSO - FESTIVAL ANUAL DE VIDEOARTE INTERNACIONAL DE LISBOA

Sustentabilidade é o mote do FUSO 2019, com uma programação concebida por artistas e curadores internacionais que propõem apresentar novas perspetivas da videoarte, cruzando as linguagens do cinema experimental, da performance, da fotografia e das artes plásticas. Os artistas poderão ainda apresentar propostas numa competição nacional, cujo vencedor receberá um prémio pela Coleção de Arte Fundação EDP.

OPEN CALL - APRESENTAÇÃO DE TRABALHOS NA PRAÇA DO CARVÃO 

Com a globalização, todos nós temos acesso ilimitado a um conjunto de informações que as gerações passadas nunca tiveram. Não se trata propriamente de um privilégio, aliás.

Nesse contexto, a videoarte questiona os modelos tradicionais de representação.

Mais do que nunca, o Open Call do Fuso 2019 revela a diversidade das práticas da videoarte feita em Portugal e/ou por artistas portugueses. 147 projectos foram submetidos, o que é mais um sinal da vitalidade da cena contemporânea portuguesa. A força e originalidade dos projectos propostos por jovens artistas, mesmo muito jovens artistas (muitos projectos foram apresentados por artistas nascidos na década de 1990) tornou a seleção difícil. A proposta de 14 obras de 14 artistas favoreceu imagens de um mundo em mutações.

Como a acção do homem e as mudanças climáticas estão a afectar o passado, o presente e o futuro (?).

 Consulte os vídeos em exibição nesta sessão >>

O FUSO OLHA PARA O FUTURO A PARTIR DO QUE PODE SER FEITO NO PRESENTE

Sustentabilidade é o mote do FUSO 2019, entendido como o respeito ao meio ambiente, à diversidade cultural e social e a um crescimento económico justo e consequente.

O campo da arte tem-se questionado sobre o seu papel e sobre novas posturas pertinentes diante destes desafios. Quais as mudanças de atitude e de funcionamento seriam propícias por parte dos artistas, curadores, críticos, galeristas e coleccionadores, nos seus aspectos individuais e institucionais?