Notícia
PROGRAMAÇÃO 2018
TOMÁS SARACENO, OUR INTERPLANETARY BODIES, 2017 © STUDIO TOMÁS SARACENO

 

Tomás Sarraceno, Eco-Visionários, Stefan Sagmeister, e muito mais no primeiro semestre do MAAT!
 

A rentreé do MAAT no ano de 2018 começa com as inaugurações de fevereiro de Supergood – Diálogos com Ernesto de Sousa, pensada a partir da obra transversal de uma das figuras mais relevantes da vanguarda portuguesa do século XX, e Bem-vindos à cidade do medo, que reúne um conjunto de obras de pintura, desenho e vídeo da produção recente de João Fonte Santa.

Em março, Tomas Sarraceno ocupa a Galeria Oval do MAAT com uma instalação site-specific, desafiando-nos a pensar sobre o Aeroceno, um futuro em que os humanos viverão em cidades aéreas alimentadas a energia solar e eólica; e Miguel Palma expõe, no Project Room do MAAT, uma instalação inédita que apresenta um vasto conjunto de obras sobre papel realizado ao longo das últimas duas décadas.

 

 

Como vemos o planeta? Como o vivemos? É um dos grandes temas a refletir no MAAT em 2018.

A forma como vemos e vivemos o planeta será o grande tema deste primeiro semestre do ano, não só com a exposição de Tomas Saraceno, mas sobretudo com a segunda grande “exposição-manifesto” do MAAT -  Eco-Visionários: Arte, Arquitetura e Novos Media Após o Antropoceno -  prevista para abril, que propõe reflexões e visões críticas e criativas face às preocupantes transformações ambientais que afetam o planeta. Ainda em maio, Stefan Sagmeister, o internacionalmente conhecido designer austríaco, traz ao MAAT a exposição The Happy Show, um dos seus projetos mais icónicos que resulta de uma intensa pesquisa sobre o conceito de felicidade.

Em colaboração com a Galeria Municipal do Porto, da qual a Fundação EDP é mecenas exclusiva, olhamos, pela primeira vez, para a Coleção Pedro Cabrita Reis (adquirida pela Fundação em 2015). Prevista para março, Germinal será acompanhada pelo próprio Pedro Cabrita Reis, numa curadoria de Pedro Gadanho e Ana Anacleto. Este panorama de um dos mais importantes núcleos da coleção da Fundação EDP virá para o MAAT no final de junho de 2018.

Em maio, altura em que a Fundação EDP e o MAAT se associam novamente à ARCOlisboa, inaugura Susana Mendes Silva e Gary Hill. A artista Ângela Ferreira abre ao público na mesma data que Germinal, no final de junho.

Outubro é uma das alturas mais fortes do ano, mês em que se celebra o aniversário do museu, e em que abrimos ao público exposições de André Príncipe, uma special commission de Tadashi Kawamata, a parceria Artists’ Film International, e ainda, no final do mês, João Louro e Haus Wittgenstein.

 

 

Veja os destaques de 2018 por Pedro Gadanho, diretor do MAAT: