Coleção
Coleção de Arte Fundação EDP
Jorge Martins, Avatares – aventuras de um raio de luz, 2006
Jorge Martins, Avatares aventuras dum raio de luz, 1973. Coleção de Arte Fundação EDP.

A Coleção de Arte Fundação EDP foi iniciada no ano 2000, pretendendo abranger várias gerações de artistas portugueses contemporâneos, bem como várias áreas e disciplinas da criação artística.

Estabeleceu-se o seu início cronológico de referência na década de 60 do século XX, uma época que corresponde a um período marcante de ruturas artísticas e que possui também o simbolismo de corresponder à data de criação da Companhia Portuguesa de Electricidade, predecessora do grupo EDP.

A seleção das obras privilegiou a aquisição de obras de artistas cuja relevância no panorama contemporâneo, nacional e internacional, torna incontornável a sua integração; a integração de obras de artistas selecionados na programação expositiva da Fundação EDP; e a incorporação de artistas premiados ou selecionados no âmbito dos prémios atribuídos por esta instituição.

A coleção tem vindo a ser completada ao longo dos anos. Uma das incorporações mais enriquecedoras passou pela aquisição, em 2015, da Coleção Pedro Cabrita Reis – um acervo que, com 388 obras de 74 artistas, retrata a geração de artistas que emergiu em Portugal entre o final do século XX e o início deste século.

Na Coleção de Arte Fundação EDP estão representados mais de 250 artistas portugueses tanto de reconhecido perfil histórico, quanto de significativa relevância ao nível dos processos de consolidação em meio de carreira, quanto ainda de um significativo conjunto de valores emergentes em processo de afirmação e de internacionalização.

Perspetivas

A coleção de arte portuguesa contemporânea, desenvolvida pela Fundação EDP, está regularmente presente na programação do MAAT – Museu de Arte, Arquitetura e Tecnologia por via de uma série de propostas, em que um curador convidado e um curador do museu propõem um enfoque temático que é traduzido numa seleção singular de trabalhos de artistas portugueses. A sucessão destas escolhas curatoriais sugere as obras de arte da coleção como uma plataforma viva que proporciona diferentes reflexões e interpretações sobre a contemporaneidade.

Paralelamente, o ciclo Perspetivas | Coleção de Arte Fundação EDP assume uma versão em formato livro, numa série publicada ao ritmo das exposições que o MAAT dedica à Coleção de Arte Fundação EDP. A relevância do conjunto de catálogos, todos com o mesmo formato, é acentuada pelo design de cada volume, desenvolvido por um autor diferente.

Com curadoria de Luísa Especial e Pedro Gadanho, Segunda Natureza é a primeira destas Perspetivas. Exposição e livro resultaram de uma pesquisa sobre este acervo de arte contemporânea portuguesa, feita à luz dos debates atuais acerca do mundo natural e das suas representações. Cerca de 50 obras de 26 artistas, realizadas ao longo de meio século, veiculam diferentes visões sobre o assunto e também o modo como a própria ideia de natureza se tem vindo a alterar.

 

Reproduções e Direitos

Todos os pedidos para a reprodução de obras de arte pertencentes à Coleção de Arte Fundação EDP devem ser enviados por e-mail para o MAAT – Museu de Arte, Arquitetura e Tecnologia.

Só é autorizada a utilização de ficheiros digitais de imagens em alta resolução fornecidos pelo MAAT para o efeito identificado no pedido. A reutilização dos ficheiros não é permitida se não for obtida uma nova autorização.

A Fundação EDP não é proprietária dos direitos de autor. A obtenção da cedência destes direitos rege-se pelas disposições do Código do Direito de Autor e dos Direitos Conexos e deve ser tratada diretamente com os autores ou com as entidades competentes, como a Sociedade Portuguesa de Autores e suas congéneres de outros países.

A reprodução da obra é obrigatoriamente acompanhada por um crédito que inclua pelo menos o nome do artista, o título e a data da obra e ainda a referência «Coleção de Arte Fundação EDP».